Estudo mostra como os consumidores estão reagindo às propagandas sobre a COVID -19

(08/04) Apenas 1% dos entrevistados acreditam que nesse momento não deve haver publicidade

A Ipsos realizou uma pesquisa com 600 espectadores do painel, Homens e Mulheres, ABC, 18+ , com o estímulo de 12 propagandas em vídeo ou anúncios para entender a reação dos espectadores em um contexto atípico, onde as notícias estão em torno de um único tema – o COVID-19 – e com ele, outras questões políticas, econômicas e sociais são afetadas.

É relevante? Faz sentido comunicar e se posicionar sobre o tema? Considerando aspectos chave de testes de eficácia em comunicação – como Visibilidade (o conhecido Recall), Agrado, entre outros drivers diagnósticos relacionados à persuasão, identificação, relevância e conexão emocional: As campanhas e ações das marcas nesse momento fazem sentido para o espectador?

A pesquisa foi realizada entre os dias 26 e 28 de Março de 2020, 2ª semana de quarentena no Brasil. Veja abaixo alguns insights. Pesquisa completa aqui

 - As propagandas que se posicionam e trazem uma ação ou uma atitude frente ao contexto, neste caso, sobre o tema do coronavírus são em média 44% mais envolventes, onde há maior pré-disposição de se compartilhar;  29%mais relevantes e se conectam com a audiência. Têm também a maior capacidade de chamar a atenção.

- Os resultados de forma geral mostram que a relevância é também maior do que em propagandas que defendem alguma causa social.

- Os espectadores valorizam e passam a desejar ainda mais as marcas que se posicionam sobre o contexto com alguma ação ou atitude.

- a participação das marcas no contexto promove mais empatia e consequentemente maior impacto na marca.

- A ausência das marcas nas mídias não é esperada: Apenas 1% dos espectadores acreditam que nesse momento não deve haver publicidade.

- Além disso, observa-se que há 2 tipos de expectativas quanto ao tom publicitário das marcas:

 - 54% buscam um tom de segurança e pertencimento onde esperam confiança, segurança, informação, cuidado e prestação de serviços;

- 43% já esperam uma atuação no território de vitalidade e positividade com otimismo, esperança, bem-estar e calma.

Fonte: ACAERT com IPSOS