Mário Petrelli, fundador do Grupo ND, é velado em Florianópolis

(23/04) Cerimônia, realizada na Capela Divino Espírito Santo, começou às 8h e reúne familiares, amigos e conhecidos do empresário ao longo da manhã

Começou na manhã desta quinta-feira (23), em Florianópolis, o velório do fundador e presidente emérito do Grupo ND, Mário José Gonzaga Petrelli. A cerimônia, que ocorre na Capela Divino Espírito Santo, no Centro, teve um início marcado por silêncio e comoção, por volta das 8h.

 

Velório de Mário José Gonzaga Petrelli é realizado na Capela Divino Espírito Santo, no Centro de Florianópolis – Foto: Leo Munhoz/ND

Na porta da pequena igreja, dezenas de coroas de flores homenageiam um dos mais bem-sucedidos empresários do Brasil. O advogado morreu na tarde desta quarta-veira (22), aos 84 anos. Ele sofreu uma parada cardíaca decorrente de 

Às 10h30 haverá uma cerimônia no local. O velório está previsto para ser realizado até as 11h30 e será seguido por um cortejo. O enterro está previsto para a tarde desta quinta, no Cemitério do Itacorubi.

Dentro da capela, familiares e amigos começam a chegar para se despedir do Dr. Mário, como era carinhosamente chamado. No corredor, funcionários da família e colaboradores do Grupo ND também relembram viagens, histórias e momentos importantes de Petrelli.

“São 18 anos trabalhando com a família. Comecei como secretária do Doutor Mário. Muita história, muita dedicação e muito respeito”, disse Manuela Barcelos de Oliveira, 37 anos.

Mário José Gonzaga Petrelli – Foto: Arquivo/Bruno Ropelato/ND

Um dos primeiros a chegar na cerimônia, Aldemir Sabino, de 80 anos, relembra a amizade com Mário José Gonzaga Petrelli há mais de 20 anos. “Ele era Fluminense e a gente sofria juntos pelo nosso time. Todo dia a gente conversava, era por telefone ou a gente se via”, diz o ex-diretor geral da Câmara de Deputados e amigo do empresário.

Ao lado do caixão, que foi posicionado no centro da capela, a esposa do fundador do Grupo ND, Monica Buffara, conversava com amigos do companheiro. Acompanham ela Marcello Corrêa Petrelli e sua esposa, Judith Veran Bussolo Petrelli. Os outros filhos de Mário, Luciana, Rosimar, Leonardo e Mário José, também já haviam chegado às 9h30.

Luto de três dias

A morte do empresário foi lamentada por entidades de classe, além do vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro Sergio Moro. O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), declarou luto oficial de três dias no Estado.

No velório, o presidente da OAB/SC, Rafael Horn, relembrou do dia em que Doutor Mário recebeu a maior comenda da advocacia catarinense, em 2011. “Ele era um homem extraordinário. Não só Santa Catarina, mas o Brasil, perdeu um dos grandes homens da sua história. Grande articulador, participou de momentos importantes da política e da história”, contou.

 

Governo do Estado anunciou luto de três dias pela morte do empresário Mário José Gonzaga Petrelli – Foto: Leo Munhoz/ND

No corredor da capela, Wilfredo Gomes, relembrava algumas histórias de Mário. Para o presidente da Lide SC, um dos grandes momentos de lembrança foi o dia em que o empresário foi homenageado em uma das edições da Lide. “Santa Catarina perde uma grande pessoa, grande empresário e um amigo muito querido”, disse emocionado.

Cesar Gomes Junior, presidente da Portobello e amigo próximo de Mário, falou emocionado sobre a perda. Na sua visão, o empresário deixou seu nome e sua importante marca em Santa Catarina. “É um dia muito triste, Mário era brilhante e fará muita falta”, afirmou.

Georgino Melo e Silva, procurador federal, também compareceu ao velório. “Florianópolis perde uma substância essencial da vida da cidade, Santa Catarina perde um grande empreendedor e nós perdemos um grande amigo”, revelou.

Carreira de sucesso

O advogado e empresário foi responsável pelo crescimento na área de comunicação em Santa Catarina. Teve uma carreira vencedora no setor de seguros e de comunicação.

Capa do jornal ND desta quinta-feira, dia 23 de abril – Foto: Divulgação/ND

Natural de Florianópolis, Mário José Gonzaga Petrelli mudou-se aos 15 anos para Curitiba, onde se formou bacharel em Direito pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), em 1959. Antes mesmo de encerrar a graduação, iniciou a carreira na comunicação como repórter de política dos jornais O Dia e A Tarde, de Curitiba. Tornou-se executivo de uma empresa de seguros, ramo em que também foi muito bem-sucedido.

Foi em 1976 que surgiu a oportunidade de adquirir uma emissora de televisão, a TV Coligadas, de Blumenau. Essa foi a base do que se tornou o Grupo RIC, que eventualmente abriu sedes no Paraná e em Santa Catarina.

Atualmente nomeado Grupo ND em Santa Catarina, o conglomerado de mídia engloba a NDTV, o jornal impresso ND e o portal nd+, além de revistas, a Record News, uma rádio e uma plataforma jovem.

Fonte: Reprodução ND