Relatório da Revenue Analytics aponta cinco tendências para o futuro da radiodifusão

(23/04) O rádio conseguiu segurar seus públicos e anunciantes, em contraste com outros setores da mídia

Um resultado de uma consultoria nos Estados Unidos sobre tendências para a radiodifusão tem repercutido no mercado nesses últimos dias. A Revenue Analytics apontou cinco tendências para o setor, se baseando em pesquisas conduzidas entre executivos de rádio e televisão norte-americanos, bem como fontes da indústria. Segundo o levantamento, apesar da pressão no modelo atual de negócios, há sinais de possíveis melhorias no futuro. E o relatório chama a atenção para a retenção de audiência e anunciantes no meio rádio. Acompanhe:

O levantamento da Revenue Analytics afirma que, apesar do crescimento lento e constante no entretenimento global e nas receitas de mídia, "o rádio conseguiu segurar seus públicos e anunciantes, em contraste com outros setores da mídia, como os jornais, que demoraram a se adaptar aos tempos de mudança". 

Programática de anúncios em áudio digital, uso de diferentes plataformas, evolução da organização das vendas e a personalização são pontos colocados como tendência para este ano de 2019, indicando essa adaptação e evolução do meio rádio perante os novos desafios no consumo de mídia.

Acompanhe na sequência as cinco tendências indicadas pelo relatório, estas que foram destaques na midia especializada em rádio nos Estados Unidos, como no portal Inside Radio. Esses pontos são descritos pela Revenue Analytics como "Tendências dinâmicas de gerenciamento de preços e receita em mídia de 2019".

"Digital Dominates"

A transmissão de áudio teve um salto de seis vezes nos últimos oito anos, de acordo com a Triton Digital, de uma média de cerca de um milhão de sessões de escuta simultâneas nos dias úteis em 2010 para quase seis milhões no início de 2018. TV pela primeira vez em 2016. E, pela primeira vez na história da mídia, analistas da eMarketer estão prevendo que a maior parte do investimento em publicidade dos EUA será gasto em mídia digital em 2019 (54,2%). 

O driver por trás dessas mudanças de gastos: mais anunciantes que buscam maior capacidade de segmentação por público-alvo e tarifas mais baratas. Mas há boas notícias para as emissoras. De acordo com Celine Matthiessen, vice-presidente de análise e insights da BIA Advisory Services, "há uma oportunidade em torno do digital que os vendedores de [mídia tradicional] podem estar negligenciando".

O imperativo da personalização

Deixando de lado os problemas de privacidade de dados, os consumidores estão cada vez mais dispostos a fornecer informações pessoais sobre si mesmos em troca de uma experiência de conteúdo mais personalizada. 

"Toda essa personalização tem o potencial de gerar receitas significativas para as empresas de mídia com visão de futuro que são preparadas para usar seus dados de audiência em sua maior vantagem" para atingir os consumidores no nível ultra-micro, diz o relatório. No entanto, muitas empresas de radiodifusão tradicionais simplesmente não são configuradas dessa forma - incluindo 50% dos executivos de mídia da América do Norte que participaram da pesquisa Revenue Analytics, que afirmaram que a capacidade da empresa de monetizar os perfis de público-alvo era "ok" ou "totalmente ineficaz". 

"A questão principal é que poucas dessas empresas fizeram os investimentos necessários em seus funcionários, processos e tecnologia para poder efetivamente extrair seus dados na escala operacional necessária", supõe o relatório. As empresas de radiodifusão enfrentam uma escolha difícil: "Adaptar sua metodologia de segmentação para entregar mensagens de marca mais personalizadas ou arriscar perder o engajamento do consumidor para manter os negócios como sempre", questiona o relatório

As plataformas programáticas proliferam

A facilidade de comprar mídia digital programaticamente tem algumas agências e anunciantes exigindo sistemas similares de rádio e TV. Até 2020, foi projetado que quase US $ 5 bilhões em gastos com publicidade na TV serão feitos por meios automáticos. O relatório afirma que o áudio é a próxima fronteira natural para a compra e venda programática. 

Uma pesquisa conduzida pela WideOrbit com aproximadamente 9.000 profissionais do setor de rádio indicou uma taxa de crescimento triplicado no número de compradores de anúncios baseados nos EUA que usaram a programática para comprar publicidade de áudio digital e de rádio entre 2017 e 2018.

Consolidação dá origem a "super-competidores"

Mega fusões estão de volta, seja a AT & T-Time Warner ou a Entercom-CBS Radio. Há esperança de que o que a PwC chama de "super-competidores" possa ajudar as emissoras tradicionais a combater a erosão de gigantes digitais como o Facebook e o Google. 

O CEO da Galaxy Media, Ed Levine, por exemplo, argumenta que "o rádio precisa ser liberado para competir com os dois gigantes digitais, que, sendo desregulamentados, têm uma vantagem injusta que lhes permite desviar o dinheiro dos anúncios de rádio". excelente para construir escala, aumentar a participação e obter eficiências, não se esqueça da essência local da rádio: "Aproveitar as percepções locais lhes permitirá aproveitar as nuances do mercado e responder rapidamente às mudanças", afirma o relatório.

A evolução da organização de vendas

Para acompanhar todas essas mudanças, as empresas de mídia tiveram que repensar a forma como suas organizações de vendas fazem negócios. Claro, as vendas baseadas em relacionamentos pessoais ainda são importantes. Mas as formas tradicionais de vender mídia estão dando lugar a uma abordagem que prioriza as métricas do cliente, resultados reais e demonstráveis ??e usa ferramentas para tirar muito do trabalho de adivinhação e parte do trabalho manual do processo de vendas. Isso está evoluindo a função do executivo de conta de um vendedor antiquado para um consultor de negócios para clientes.

O relatório completo da Revenue Analytics está disponível para download. Acesse: https://research.revenueanalytics.com/2019MediaTrends


Capa do relatório disponibilizado pela Revenue Analytics

Fonte: Tudo Rádio com informação da Renevue Analytics e do Inside Radio