RETRO 2019 - Café com o presidente da República, Jair Bolsonaro. Momento Brasil com o vice Hamilton Mourão e Rodrigo Maia.

(20/12) Eventos deram visibilidade e prestígio à Radiodifusão de Santa Catarina

Retro ACAERT - Junho/Agosto

MOURÃO

No dia 19 de julho, para uma plateia de líderes empresariais e políticas, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, destacou que o país deve entrar nos trilhos em no máximo três anos. A afirmação foi feita durante palestra do Momento Brasil, evento para convidados promovido pela ACAERT, na sede da FIESC, em Florianópolis.

Disse que o Brasil precisa sair deste momento conturbado nas áreas da política e economia. Para isso, defendeu a retomada do crescimento com uma agenda de produtividade. Citou a aprovação do texto base da Reforma da Previdência com uma das medidas urgentes. Defendeu a privatização que pode rende R$ 500 bilhões, além de destacar a reforma tributária. Mourão acredita que o país está iniciando uma era de desenvolvimento sustentável com as medidas implantadas nos primeiros 200 dias de governo Bolsonaro.

O vice-presidente falou por uma hora, quando apresentou uma reflexão da história mundial e particularmente da América do Sul. Em vários momentos, o vice-presidente foi interrompido pelas palmas da plateia. Sobre a crise econômica, Mourão criticou o projeto de poder dos governos do PT que levou o Brasil ao endividamento. “Desde 2014, estamos no vermelho. A luta da nossa gestão econômica é trazer nossa conta para o azul”.

No final, o vice-presidente voltou a destacar a democracia como um dos pilares fundamentais da civilização. “Aqui, temos três vertentes que consideramos fundamentais: clareza, pois todos têm que entender o que o governo deseja; determinação para levar adiante, e paciência para o diálogo, pois a política só se constrói com diálogo”, afirmou.

Mídia Regional - O presidente da Acaert, Marcello Corrêa Petrelli, lembrou que no Estado a aliança de Bolsonaro e Mourão fez mais de 70% dos votos no segundo turno e que, por isso, existe uma relação de confiança e de expectativa dos catarinenses com o governo.

Ele descartou a apresentação de reivindicações locais ao vice-presidente no encontro, mas afirmou a intenção de pedir uma maior presença dele e do presidente em Santa Catarina e de uma compreensão sobre problemas como o retorno dos impostos arrecadados no Estado.

— A responsabilidade da mídia e da imprensa regional é criar esse relacionamento para que a gente possa ter o entendimento do que são os propósitos, os interesses e os entendimentos do governo federal e levar a população. Fazer esse canal de comunicação entre aquilo que se precisa fazer e o que se precisa compreender, para que haja uma sintonia como foi no caso da reforma da Previdência — pontuou.

BOLSONARO

No dia 22 de agosto, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, em Brasília, que o trabalho da imprensa regional é importante para o futuro da Nação. A declaração foi durante café da manhã com 50 lideranças das entidades que representam os veículos de comunicação de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. O encontro foi articulado pela ACAERT. De acordo com o presidente da entidade, Marcello Corrêa Petrelli, o objetivo foi mostrar ao presidente o potencial e a atuação da Mídia Regional nos três estados do Sul. “Nossos veículos fazem comunicação em sintonia com a sociedade porque fazemos parte dela”, disse.

Bolsonaro reclamou da má vontade da mídia nacional em interpretar suas declarações sobre diversos assuntos. “Esse é o meu jeito de falar. Jeito que o povo entende. E não vou mudar”, ressaltou. “Estamos construindo uma rota diferente do passado. Nós temos tudo para dar certo. Precisamos de união”. Acompanharam o presidente o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, general Luiz Eduardo Ramos, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, o Secretário Especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten. “Esse é o jeito sincero do presidente. Discurso que foi eleito pelo povo brasileiro”, destacou o general Ramos, amigo pessoal de Bolsonaro. Também prestigiaram o evento os deputados Rogério Mendonça Peninha (MDB), coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense e Coronel Armando (PSL).

O presidente da ACAERT foi porta-voz da comitiva. Em seu discurso, Marcello Petrelli lembrou que a Mídia Regional é defensora de suas cidades, lideranças e “todos aqueles que são agentes de progresso e desenvolvimento”. Para ele, os programas locais de rádio e televisão, além dos jornais impressos, têm as maiores audiências nos municípios. “Nosso público aprendeu a desconfiar da mídia mal-intencionada, porque temos um propósito: pensar e agir diferente. Em primeiro lugar está nossa comunidade, a nossa região, o nosso estado”, explicou Petrelli. “Somos a ponte para construir um verdadeiro diálogo com a sociedade, pautado pela informação e no compromisso com os fatos e a verdade”, completou. Na comitiva, presidentes da AERP, AGERT, ADI dos três estados, Adjori de SC e PR.

MAIA

A reforma administrativa, somada à da Previdência, possibilitará no futuro a redução da carga tributária brasileira, uma das maiores do mundo, defendeu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), durante palestra promovida pela Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (ACAERT), no dia 30 de agosto, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). “Sem essas reformas que visam reduzir despesas da máquina não haverá redução da carga tributária”, afirmou. Maia foi o terceiro convidado do ‘Momento Brasil’, série de eventos que a ACAERT promoverá com personalidades nacionais até o final do ano.

O evento foi prestigiado pelo ex-governador do Estado, Jorge Bornhausen e pelos presidentes das entidades do Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina – COFEM, que fizeram uma defesa da simplificação do sistema tributário brasileiro. Pela bancada federal, estiveram presentes os senadores Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PR) e os deputados federais Angela Amin (PP), Rodrigo Coelho (PSB), Daniel Freitas (PSL), Coronel Armando (PSL), Rogério Mendonça Peninha (MDB), Darci de Mattos (PSD), que foi o articulador da vinda do Maia a Santa Catarina. Os deputados Sérgio Mota (Republicanos), Marlene Fengler (PSD), Coronel Mocelin (PSL), Ivan Naatz (PV) e Kennedy Nunes (PSD) representaram a bancada estadual.  

Ao todo, 400 convidados ouviram o presidente da Câmara dizer que o país “deixou de ter um orçamento que represente a sociedade”. “Esse Congresso é reformista. O Estado brasileiro precisa voltar a servir a todos, e não a poucos”, afirmou. Maia afirmou que é contra o retorno da CPMF. O parlamentar acredita que mesmo a simplificação dos impostos, sem necessariamente redução da carga tributária neste momento, já poderia gerar crescimento econômico. “O impacto da reforma tributária vai trazer mais recursos do que a da Previdência”.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa ACAERT