Sinal analógico de TV é desligado em SP e em 38 cidades da Região Metropolitana

(30/03) Quem tem TV analógica vai precisar ter conversor e antena digital. Kits estão disponíveis para quem tem programas sociais como o Bolsa Família

O sinal analógico de televisão foi desligado em São Paulo e em outros 38 municípios da região metropolitana às 23h59 desta quarta-feira (29). A partir de agora, quem tem TV analógica vai precisar ter conversor e a antena digital para poder ver as imagens.

Pesquisa do Ibope feita entre os dias 11 e 24 de março constatou que 90% dos domicílios da Grande São Paulo estão preparados para receber o sinal digital. A estimativa é que nesta quarta este índice já esteja em 92%. Somando quem tem antena parabólica, ele sobe para 95%.

A entrega de conversores digitais para inscritos em programas sociais como o Bolsa Família deverá continuar por 45 dias depois do desligamento da TV analógica, mas esse prazo pode ser prorrogado.

É possível tirar dúvidas no site: sejadigital.com.br 

A expectativa é de que, em 2023, a TV digital esteja disponível em todos os domicílios do país. Ao todo, R$ 3,6 bilhões serão disponibilizados para tanto – quantia custeada quase que integralmente por empresas de telecomunicações.

Cerimônia marcou desligamento 

Na manhã de quarta-feira (29), o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) Gilberto Kassab e o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) Juarez Quadros, assinaram a portaria que autoriza o desligamento do sinal analógico em São Paulo

Participaram da cerimônia, o presidente da ABERT Paulo Tonet Camargo, integrantes do Gired – grupo de transição da TV Digital -, e representantes de emissoras.

Para Tonet, o encerramento das transmissões analógicas em São Paulo é mais uma etapa vencida para o setor. “São Paulo foi um grande desafio, porém, é importante ressaltar que há muito a fazer. O Brasil é muito grande e muito diverso”, disse.

Segundo Kassab, o ato é simbólico e emblemático, por se tratar da região mais povoada do país, a grande São Paulo. “A televisão que é o grande instrumento de entretenimento do brasileiro, com um conteúdo de muita qualidade e reconhecido em todo país, passará agora a oferecer um sinal de qualidade e imagem. Isso é muito positivo. Hoje, temos plena convicção de que as pessoas estão preparadas, quem tinha uma TV que não recebia o sinal digital, pegou o conversor e quem ainda não retirou, deve ligar e agendar para pegar o seu conversor nos próximos dias”, afirmou.

O ministro garantiu que tem conversores suficientes para atender a população. “A Seja Digital, empresa responsável pela distribuição dos kits, possui um número necessário para abastecer todas as famílias beneficiárias dos programas sociais do governo”, garantiu Kassab.

Até o momento, cerca de 1,1 milhão de kits digitais (antena, conversor e cabos) foram entregues à população de baixa renda. O total de kits previstos para distribuição nos 39 municípios é de 1,951 milhões. Outros 850 mil kits ainda deverão ser entregues após o desligamento, pois a Seja Digital tem o compromisso de continuar a distribuição, mesmo depois do fim do sistema analógico.

Durante a reunião do Gired (grupo formado por representantes das TV, Telcos, Anatel e MCDIC), os representantes da Abert concordaram com o desligamento, mas manifestaram preocupação com as 850 mil famílias que ainda não receberam os equipamentos, pois tratam-se de residências de baixa renda, cujo único meio de serviços, entretenimento e notícias é a televisão aberta, livre e gratuita.

O próximo passo é preparar a população de Goiânia e 28 cidades do entorno, onde o desligamento está marcado para o dia 31 de maio. Até o momento, 45% dos 277 mil kits previstos já foram entregues.

Rio Verde (GO), Brasília e cidades do entorno do Distrito Federal já operam exclusivamente o sinal digital de TV.

No mês de julho está previsto o desligamento em Salvador (BA), Fortaleza (CE), Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e outras dezenas de cidades destes estados. São mais de 17,3 milhões de pessoas, com cerca de 5,4 milhões de residências. Já para as famílias de baixa renda pertencentes aos programas sociais do Governo Federal serão destinados 2,121 milhões de kits.

 

 

Fonte: com informações da ABERT e G1