Mais de mil cidades manifestaram interesse em nova fase de digitalização da TV

Do total de municípios que manifestaram interesse, 233 foram qualificados pelo MCom e 215 assinaram os termos de adesão

25/10/2021

Programa para digitalização da TV aberta em cidades que não contam com emissoras digitais, o Digitaliza Brasil despertou interesse de 1.024 das 1.050 cidades elegíveis nas quatro chamadas abertas pelo Ministério das Comunicações (MCom).

Quer receber notícias da ACAERT? Assine a newsletter - Assine aqui e receba por e-mail

As parciais foram reveladas pela EAD, entidade responsável pela operacionalização do processo. Do total de municípios que manifestaram interesse, 233 foram qualificados pelo MCom e 215 assinaram os termos de adesão.

Em paralelo, em 530 cidades já há local indicado pelas prefeituras para instalação dos novos equipamentos de digitalização das retransmissoras analógicas. A expectativa da EAD é encerrar o ano com 267 sites ativos e completar em abril de 2022 a primeira fase do programa, que envolve 752 cidades.

Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte (estado natal do ministro Fábio Faria e que tem recebido maior foco da pasta) são os focos atuais no trabalho de campo do projeto, que até julho de 2023 deve digitalizar mais de 7 mil canais em 1.638 cidades de todo o País, com uma população estimada de 23 milhões.

Indústria

O programa tem liberados R$ 844 milhões, remanescentes da arrecadação do leilão de 4G em 2014 (e que já custearam a limpeza da faixa de 700 MHz e a digitalização da TV nas maiores cidades). Até o momento, a previsão é que R$ 700 milhões sejam gastos, segundo o diretor de tecnologia da EAD, Gunnar Bedick.

Durante evento promovido pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) nesta semana, Bedick pontuou que o investimento beneficiará sobretudo a indústria brasileira, incluindo fornecedores de antenas de broadcasting, transmissores de TV digital, parabólicas, multiplexadores e estruturas verticais.

Reporter: Teletime

Últimas notícias