​Linguagem de rádio: 4 particularidades que você precisa saber

A linguagem de rádio é fruto da combinação entre produção de texto e locução, sendo fundamental a clareza para o ouvinte assimilar as informações

29/04/2022

(Crédito: Unsplash)

Cada veículo de comunicação apresenta características peculiares, que devem ser minuciosamente compreendidas pelos profissionais. A linguagem de rádio, por exemplo, é fruto da combinação entre produção de texto e locução, visto que a transmissão da mensagem se dá por um único meio.

Quer receber notícias da ACAERT? Assine a newsletter - Assine aqui e receba por e-mail

Toda fala exige uma maneira diferente de expressão ao narrador, dependendo do conteúdo passado e do contexto em que ele se envolve. Objetividade é fundamental, sempre com bastante cuidado na escolha de cada palavra mencionada. O mais importante consiste em fazer o público assimilar a informação.

1 - Importância da clareza

Citamos a relevância da objetividade, lembra? Pois ela está diretamente ligada à clareza da mensagem, sempre da forma mais simples possível. Para tanto, segurança e confiança ao falar são elementos fundamentais. Só assim o ouvinte sentirá credibilidade e absorverá a informação.

Usar o tom de voz adequado, sem ser muito rápido ou muito lento, permite uma melhor compreensão. O excesso de velocidade pode atrapalhar o locutor e tende a dificultar a captação do conteúdo por parte do público. Por sua vez, a lentidão não prende o ouvinte e aumenta as chances de ele trocar de estação.

2 - Respeito ao lead

Mesmo com suas diferenças em relação a outras plataformas de comunicação, o radiojornalismo deve respeitar os padrões da profissão. Você com certeza já ouviu falar em lead, certo?

Trata-se de um esquema interessante para entregar todos os dados relevantes de determinado fato, garantindo clareza e agilidade. Respeitar o lead é fundamental na linguagem de rádio, então a informação precisa responder “o quê”, “quem”, “como”, “quando”, “onde” e “por quê” a respeito de um acontecimento noticiado.

3 - Capacidade de improviso

A veiculação de notícias ao vivo apresenta vários desafios para quem é radialista. Os constantes e comuns desdobramentos de uma mesma informação exigem uma qualidade primordial: capacidade de improviso.

Nem sempre a mensagem será passada com o texto pronto em frente no aconchego do estúdio. O repasse rápido de notícias obriga o profissional a organizar falas enquanto as diz, por isso é tão importante ter calma e estar munido das principais informações sobre a pauta em questão.

4 - Cuidados com vícios de linguagem

É normal que algumas palavras e construções frasais fiquem na cabeça e saiam quase sem nossa percepção. Justamente por isso, o radialista precisa se policiar a respeito de vícios de linguagem. Ouvir os programas em casa, por exemplo, ajuda a notar o que pode melhorar nesse sentido.

Quanto maior o vocabulário e a prática, menor a chance de apresentar vícios. Um dos mais famosos é a cacofonia, que consiste na união de sons entre o começo de uma palavra e o fim de outra, gerando incompreensão quanto à mensagem.

Saber as 4 particularidades da linguagem de rádio que citamos ao longo do texto é algo capaz de ajudar muito a qualificar o trabalho de um locutor. É interessante mencionar, por fim, a necessidade de evitar frases longas e jamais citar dados não palpáveis, pois o rádio exige atenção ao apresentar números.

Leia o texto original aqui.

Reporter: FARCOM, com informações Bycast

Últimas notícias