Potência das antenas 5G será regulada para todos os aeroportos do país

A potência das antenas 5G instaladas em volta dos aeroportos brasileiros será menor, e poderá trazer alguns problemas na recepção indoor do serviço celular

30/06/2022

A Anac não abriu mão de ampliar a segurança para os aviões em todo o país. (Crédito: Freepik)

A Anatel publicou nesta quinta-feira, 30, a portaria que irá estabelecer um limite menor de potência das antenas 5G que serão instaladas ao redor de todos os aeroportos do país. Segundo o superintendente de Outorgas e Recursos à Prestação da agência, Vinícius Caram, o ato não precisará ser conjunto com a Anac – Agência de Aviação – mas exclusivo da agência de telecomunicações.

Quer receber notícias da ACAERT? Assine a newsletter - Assine aqui e receba por e-mail

Ele disse que, por orientação da Anac, a redução das potências será estabelecida pela Anatel para evitar qualquer tipo de interferência nos equipamentos de bordo dos aviões e a potência das antenas deverá cair dos atuais 75 dBm para 69 dBm. Conforme o técnico da agência, a redução da potência de irradiação poderá afetar as transmissões in door da tecnologia 5G, mas isso só deverá acontecer em cidades com muita concentração de prédios em volta do aeroporto, o que, segundo ele, não é o caso da capital de Brasília, a primeira cidade a contar com a nova tecnologia de celular.

Testes

Caram disse ainda que a Anatel não aprovou os testes de laboratórios realizados para medir a interferência do serviço nos equipamentos profissionais das emissoras de TV, por que foram realizados sem os filtros dedicados, apenas com um emulador e, por isso, os testes de campo, que estavam previstos para ocorrer esta semana, ainda não foram concretizados. Mas, agora, os testes de campo já poderão ser feitos, e, segundo a EAF (empresa Siga Antenado, responsável pela limpeza do espectro), são apenas 69 equipamentos que precisarão ser implantados. “Isso pode ser feito em dois ou três dias”, prevê ele.

Mas Caram observou que, depois dos testes de campo, os resultados precisarão ser apresentados ao Gaispi (grupo que coordena o ingresso do 5G no país) que precisará convocar reunião extraordinária para analisá-los, e aprová-los, e por isso o presidente do grupo, conselheiro Moisés Moreira,  tem estimado um prazo de 15 dias para o início do 5G no Distrito Federal. “Algumas etapas ainda precisam ser cumpridas”, afirmou.

Ontem, no Painel Telebrasil 2022, a TIM já anunciava o tamanho de sua rede em Brasília, e amanhã a Claro também fará a apresentação de sua solução. Mas as operadoras aguardam a autorização da Anatel para lançarem comercialmente o serviço.

Repórter: TeleSíntese

Últimas notícias